• Leandro Waldvogel

Storytelling e Entrevistas de Emprego

Uma das perguntas mais frequentes que recebemos é sobre como utilizar o storytelling em entrevistas de emprego. A ferramenta é extremamente útil, já que naqueles breves momentos da entrevista a empresa irá "comprar", essencialmente, a história que você contar sobre você e sua carreira. Os 3 comportamentos que apresentamos a seguir podem ser decisivos para o seu sucesso durante a conversa com o entrevistador.


1. Sua história deve ser verdadeira. Isso parece óbvio, mas, em toda a minha experiência como entrevistador, parece ser o maior pecado de quem já se sentou à minha frente. Há pouco tempo, uma jovem recém formada me perguntou: "Leandro, a empresa tem a expectativa de ouvir determinadas coisas sobre mim, não sei como abordar todas elas e prever o que o entrevistador quer ouvir". Não, você não tem como prever e essa tal expectativa não existe. Falar as obviedades que lemos em artigos sobre entrevistas de emprego apenas te tornará mais um entre tantas centenas de candidatos. Fale a sua verdade, revele seus desejos e objetivos, fale sobre suas conquistas com orgulho. Certa vez, um candidato me respondeu que seu maior defeito era "ser desonesto" em algumas situações. E logo explicou a forma com lidava e procurava superar esse (grave) defeito. Sua honestidade em se dizer "desonesto" foi tão grande e a forma como ele soube contar a história de como lida com esse problema foi tão convincente que minha colega e eu o aprovamos para a próxima fase. Não tenha dúvidas, depois de 10 entrevistas, qualquer entrevistador percebe a falta de verdade em um entrevistado logo na primeira frase.


2. Desloque o foco da conversa para o problema, o "vilão" da empresa; seja a solução, o "herói" que o entrevistador procura. Toda a vaga só existe se houver um problema a ser resolvido. Se tudo estiver funcionando perfeitamente bem e não houver falta de pessoal, sua vaga provavelmente não existiria. Um grande erro de muitos candidatos é falar apenas de suas habilidades e experiências e se esquecer do problema da empresa. Faça uma pesquisa, use sua imaginação, pergunte-se "para resolver qual problema estão me contratando?" Fale sobre esse desafio, mostre que você conhece a "dor" da empresa e em seguida fale sobre como você poder ser uma peça essencial para lidar com esse "vilão". O que mais importa é o problema, o desafio. Só haverá benefícios em relação a um problema que deve ser resolvido.


3. Inverta a condução da entrevista. Demonstre curiosidade o tempo todo. Não tenha medo de fazer perguntas inteligentes, que demonstrem que você fez o dever de casa e estudou a empresa e a vaga. Faça o seu entrevistador falar. Frequentemente, as perguntas que fazemos dizem mais sobre nós do que nossas respostas. A relação de "interesse" em uma entrevista é muito mais equilibrada e horizontal do que imagina um candidato. Não seja apenas o pólo passivo da conversa, assuma um protagonismo e conduza conjuntamente a entrevista de emprego.


Leandro Waldvogel é especialista em comunicação e storytelling corporativo. É palestrante, coach, e consultor de grandes empresas. Sócio da Waldvogel Consultoria, também é professor do MBA da FIA/USP e convidado de universidades nos Estados Unidos. Leandro trabalhou por muitos anos para a Walt Disney Company nos Estados Unidos e foi diplomata do Itamaraty.


https://www.linkedin.com/pulse/storytelling-e-entrevistas-de-emprego-leandro-waldvogel/

14 visualizações
  © Leandro Waldvogel 2019
  • email-icon-white-circle1
  • LinkedIn
  • Branca Ícone Instagram
  • Facebook - Círculo Branco
  • Branca ícone do YouTube